Publicidade

Indústria do Entretenimento acredita que Cultura de Abuso e Má Conduta em Hollywood melhorou

Diogo Fernandes, 6 de outubro de 2023 16:38
Indústria do Entretenimento acredita que Cultura de Abuso e Má Conduta em Hollywood melhorou

Seis anos após a hashtag #MeToo ter ganhado força com as revelações bombásticas contra Harvey Weinstein, um novo inquérito concluiu que uns números promissores de funcionários da indústria do entretenimento sentem que houve progressos em Hollywood.

A WIF, organização sem fins lucrativos anteriormente conhecida como Women In Film, realizou um inquérito no mês passado onde a maioria dos inquiridos afirmou que a cultura em Hollywood melhorou, com uma redução de 33,7% nas experiências de abuso e má conduta em comparação com o ano anterior.

Os resultados do inquérito, e segundo a Variety, mostram que 59% dos inquiridos acreditam que a cultura em torno do abuso, assédio e má conduta em Hollywood melhorou no último ano. 46,2% dos inquiridos afirmam terem eles próprios ou alguém que conhecem experienciado abuso ou má conduta no último ano.

"Embora os números tenham melhorado, os resultados e anedotas anónimas mostram que o abuso e a má conduta continuam a ser prevalentes na nossa indústria", segundo a WIF.

A WIF realizou o inquérito junto de 266 inquiridos em setembro passado. Os participantes do inquérito são atuais ou antigos funcionários da indústria cinematográfica, sendo que 95,4% dos inquiridos se identificam como mulheres, 1,9% como homens e 2,7% identificam-se como não binários ou outro género. Os participantes incluíram pessoas de cor, indivíduos trans e indivíduos que fazem parte da comunidade LGBTQ+.

"Trabalhei para uma empresa que empregava principalmente homens. A minha aparência, roupas e peso eram sempre tema de discussão", escreveu um participante do inquérito.

Outro inquirido escreveu: "Já experienciei desde discriminação a assédio em quase todos os empregos que tive na indústria, e também testemunhei isso acontecer com várias amigas minhas". Esta pessoa anónima afirmou ter sido despedida do seu primeiro trabalho na indústria depois de perguntar por que motivo o seu colega masculino ganhava mais dinheiro. Esta pessoa também escreveu que foi "sexualmente agredida no primeiro set em que trabalhei e recebi fotos ilícitas de talentos de um programa em que estava a trabalhar".

Outras alegações de maus tratos no local de trabalho partilhadas no inquérito incluem produtores executivos masculinos a tentarem roubar créditos de escrita a escritoras femininas e depois despedi-las por não concordarem em abdicar de um crédito de escrita num episódio que escreveram, e a produção a dizer a uma mulher que ela "não tinha permissão" para chorar no set, apesar de estar a ser "assediada por um trabalhador masculino do set".

Quase metade das pessoas que se identificam como antigos trabalhadores da indústria do entretenimento afirmam que a razão pela qual deixaram a indústria é devido a abuso ou má conduta.

"Sinto fortemente que o #MeToo não fez nada além de ensinar os homens a esconderem melhor o seu comportamento", partilhou um participante do inquérito da WIF.

Já passaram seis anos desde as histórias sobre Weinstein terem sido divulgadas no New York Times e no New Yorker em outubro de 2017, abrindo as comportas para acusações contra Weinstein e outros poderosos acusados de assédio sexual e abuso. Em 2023, as acusações contra homens poderosos na indústria do entretenimento continuam a ser prevalentes: Apenas esta semana, a atriz Julia Ormond apresentou uma ação judicial, primeiro reportada pelo Variety, contra Weinstein por agressão sexual, processando também a CAA e a Disney por alegadamente permitirem o comportamento de Weinstein; e o produtor de televisão Bryan Fuller foi acusado de assédio sexual no set de uma série documental.

Estabelecida há 50 anos, em 1973, a WIF trabalha para desmantelar o viés de género, a discriminação e o assédio na indústria do entretenimento.



Escolha uma plataforma de Streaming e encontra as estreias, lançamentos e notícias: