Publicidade

Um Homicídio no Fim Do Mundo: Lee Andersen é inspirado num Antigo Hacker?

Diogo Fernandes, 15 de novembro de 2023 19:41
Um Homicídio no Fim Do Mundo: Lee Andersen é inspirado num Antigo Hacker?

No thriller psicológico da série Um Homicídio no Fim Do Mundo do Disney+, a protagonista Darby Hart idolatra Lee Andersen, uma hacker e programadora que abriu caminho para uma nova geração de mulheres entrarem no mundo da pirataria informática. Quando Darby investiga homicídios não resolvidos, usa vários truques/estratégias concebidos por Lee, o que demonstra o quanto esta influenciou aquela. Quando a detetive recebe um convite para participar no retiro de Andy Ronson, a presença de Lee no evento também influencia a sua decisão de aceitar o convite. A história de vida de Lee é suficientemente intrigante para fazer alguém querer saber se ela se baseia numa verdadeira pirata informática que caiu no esquecimento!

Lee Andersen: Real ou Fictícia?

Lee Andersen não se baseia numa verdadeira pirata informática. A personagem fictícia foi concebida pelos criadores Brit Marling e Zal Batmanglij para a série. "Para melhor ou pior, tendemos a não modelar pessoas reais, e também não pensamos em atores quando estamos a escrever, porque notei que se o fizer, estou a substituir o carisma do ator ou da pessoa real pelo que estou a escrever na página. E acabo por não conseguir criar uma personagem tão robusta", disse Marling à Elle sobre a decisão de não criar personagens, incluindo Lee, baseadas em pessoas reais.

No entanto, a pesquisa de Marling e Batmanglij no mundo da tecnologia ajudou-os a conceber Lee de forma autêntica. Eles receberam ajuda do seu amigo Moxie Marlinspike, o criptógrafo que criou o Signal, também. "Tentamos fazer pesquisas sobre os mundos, mas tentamos deixar que a personagem ganhe vida na própria página. E tivemos o nosso amigo, Moxie Marlinspike, que construiu a aplicação Signal. É um sistema de mensagens encriptadas de ponta a ponta. Aprendemos muito com ele sobre esse mundo inicial dos piratas informáticos do qual Bill e Darby também fazem parte, que tem uma verdadeira comunidade online", acrescentou Marling.

Lee é caracterizada como a ponte entre Darby e o homicídio que ocorre no retiro de Ronson. A presença da antiga pirata informática no retiro motiva Darby a participar no mesmo. Quando o homicídio acontece, juntam-se para desvendar a verdade por trás do crime. A parceria inesperada entre Darby e Lee é inspirada pela camaradagem que existe entre entusiastas da tecnologia como o duo. Depois de pesquisar comunidades e fóruns relacionados com tecnologia, Marling e Batmanglij ficaram convencidos de que os buscadores da verdade como Darcy ou Lee não têm necessariamente de completar as suas missões sozinhos.

"Isso foi o que mais nos atraiu no amadorismo de um detetive, a ideia de que os detetives amadores não vão realmente sozinhos. Parte do modo como funcionam é que o fazem juntos", disse Marling à Vanity Fair. "Essa é a versão da tecnologia que é promissora e poderosa, a ideia de que pode estimular ação coletiva ou unir pessoas de uma forma que não foram capazes de se unir antes", acrescentou o co-criador. Embora Lee seja fictícia, os traços da personagem podem ser encontrados em vários piratas informáticos e detetives amadores que partem em busca de solucionar mistérios intrigantes.