Publicidade

Festival de Cinema de Berlim escolhe Jenni Zylka para descobrir novos cineastas alemães em ascensão

Diogo Fernandes, 6 de outubro de 2023 16:30
Festival de Cinema de Berlim escolhe Jenni Zylka para descobrir novos cineastas alemães em ascensão

O Festival de Cinema de Berlim quer criar uma nova geração de cineastas alemães. A próxima edição, que está marcada para acontecer de 15 a 25 de fevereiro, verá a sua secção dedicada a novos filmes alemães como parte do programa principal.

Jenni Zylka, antiga diretora da Perspektive Deutsches Kino, foi escolhida para procurar os primeiros filmes e colaborar com escolas de cinema. Um prémio, chamado Prémio Heiner Carow para a promoção da arte cinematográfica alemã, será atribuído a um primeiro ou segundo filme alemão exibido em todas as secções do Berlinale. O prémio, dotado de €5 000, é patrocinado pela Fundação DEFA.

"O objetivo do Berlinale 2024 é novamente despertar entusiasmo pelo cinema, criar prazer e um ambiente festivo. Um festival de cinema é mais do que a soma dos seus programas", disseram os diretores do Berlinale, Mariëtte Rissenbeek e Carlo Chatrian, que se demitirão após esta próxima edição, quando os seus contratos expirarem.

O par afirmou que o seu objetivo era que o Berlinale "combinasse relevância política, experiências estéticas e emoções grandiosas".

O Festival de Cinema de Berlim é governado por um organismo alemão chamado Kulturveranstaltungen des Bundes in Berlin (KBB), presidido pelo Ministro de Estado da Cultura e Media da Alemanha.

A notícia da saída de Chatrian após a edição de 2024 causou agitação dentro da comunidade cinematográfica internacional quando foi divulgada no mês passado. O respeitado diretor artístico era esperado para ter o seu contrato prolongado pelo organismo estatal alemão. Na sequência do anúncio, centenas de cineastas e talentos, incluindo Martin Scorsese, Radu Jude, Kristen Stewart e Hamaguchi Ryusuke, assinaram uma carta aberta em apoio a Chatrian.

O organismo alemão havia dito anteriormente que abandonaria o modelo de ter um diretor executivo e um diretor artístico e voltaria a ter um único diretor após 2024.